OTAN ataca posto do Taleban no Afeganistão

Um ataque aéreo destruiu um posto Taleban no sul do Afeganistão, matando um suposto líder do grupo, disseram fontes policiais nesta sexta-feira, enquanto outros dez rebeldes morreram em conflito com tropas armadas no leste.Em um comunicado, a OTAN confirmou o ataque desta quinta-feira no distrito de Musa Qala, na província de Helmand, no Afeganistão. No entanto, o nome do suposto líder Taleban morto não foi divulgado.A OTAN declarou que a operação contra os líderes Talebans foi um sucesso, depois de um ano de lutas que deixou centenas de mortos.O ataque aéreo aconteceu na cidade Musa Qala, onde um acordo foi feito entre líderes locais e o governador de Helmand, que proibia a entrada de tropas da OTAN no local.Antes do acordo, que foi criticado por funcionários do país no oeste, a cidade era tomada por violência entre tropas britânicas e militantes Talebans.No entanto, a OTAN afirmou que este ataque não violou o acordo.Novos projetosOs ministros de Relações Exteriores dos países membros da Otan estudam nesta sexta-feira uma ação conjunta internacional para acelerar a reconstrução no Afeganistão em 2007, um ano considerado crítico na luta contra os talebansA reunião extraordinária, convocada pela secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, vai discutir também o futuro da província sérvia do Kosovo.O objetivo para o Afeganistão é anunciar uma "significativa contribuição" para o desenvolvimento do país, e pedir aos aliados "maiores esforços", segundo os Estados Unidos.A Otan quer incentivar a reconstrução do país enquanto a sua Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), com 32 mil soldados, se prepara para enfrentar uma nova ofensiva dos talebans nos próximos meses.Apesar dos bilhões de euros em ajudas da comunidade internacional ao país, 2006 foi o ano mais sangrento desde que uma coalizão liderada pelos EUA derrubou em 2001 o regime fundamentalista taleban. As mortes chegaram a 4 mil.Os EUA pretendem aumentar a influência do governo afegão e melhorar a economia no leste e sul do país, onde os talebans são mais ativos, além de acelerar a formação da Polícia e o Exército afegãos.A reunião conta com representantes da União Européia, do Banco Mundial e do Governo afegão. A UE deve anunciar uma nova contribuição de 600 milhões de euros ao Afeganistão durante os próximos quatro anos.O enviado especial da ONU ao Kosovo, Martti Ahtisaari, apresenta nesta sexta-feira em Viena suas recomendações sobre o estatuto final da província sérvia ao Grupo de Contato, formado por Alemanha, EUA, França, Rússia, Reino Unido e Itália. A Otan, que tem 16 mil militares no Kosovo, teme novas tensões quando o Conselho de Segurança da ONU decidir o estatuto final da província. A maioria albanesa pretende se emancipar da Sérvia.A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, anunciou ainda o envio de US$10,6 bilhões, o que pressionou ainda mais a OTAN a aumentar o poderio militar no Afeganistão, além de novos projetos para desenvolvimento local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.