Otan comandará zona de exclusão aérea na Líbia

Aliança atlântica precisa da aprovação de seus 28 membros para comandar a operação

estadão.com.br,

24 de março de 2011 | 16h03

Atualizada às 18h22

 

BRUXELAS - A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) assumirá no começo da próxima semana o comando da intervenção militar na Líbia, autorizada pela resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU), e atualmente liderada pelos EUA. O acordo foi costurado entre a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, e os chanceleres do Reino Unido, William Hague, da França, Alain Juppé e da Turquia, Ahmet Davutoglu. A chefe da diplomacia americana deve participar de uma reunião em Londres na terça para discutir os detalhes da transição.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

 " A Otan decidiu assumir o controle da zona de exclusão aérea sobre a Líbia. A transição deve acontecer em dois dias", disse Rasmussen em entrevista à CNN. 

 

A última resistência para que a aliança atlântica assumisse a missão caiu na tarde de hoje quando a Turquia deu sinal verde para a transferência de comando. "Todas nossas demandas foram atendidas. A operação será entregue à Otan", disse Davutoglu. 

 

 A aliança atlântica precisa da aprovação de seus 28 membros para comandar a operação. A Turquia havia imposto condições que impediam a transição.

 

Mais cedo, o parlamento turco autorizou a participação das Forças Armadas do país nas operações na Líbia. Cabe agora ao primeiro-ministro Recep Erdogan decidir se adere à missão ou não.

 

Os EUA pretendem entregar logo o comando da missão. De acordo com a Casa Branca, o governo Obama espera contar com o auxílio da Turquia na segunda fase da intervenção na Líbia.

 

"Estamos confiantes que iremos alcançar um acordo sobre o comando e o controle da segunda fase da operação. Isto inclui trabalhar com os turcos", disse o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

Ainda de acordo com ele, uma vez implantada, a zona de exclusão aérea não contará com o patrulhamento de aviões americanos. "Os EUA terão um papel, mas não irão liderar a aplicação da zona de exclusão aérea", afirmou. 


 

Tudo o que sabemos sobre:
Otanintervenção na LíbiaTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.