Otan dá aval a ação sem ONU

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen, deu a entender ontem que a aliança militar estaria disposta a apoiar um ataque punitivo à Síria, mesmo sem uma "resolução explícita" do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

VILNA, O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2013 | 02h09

Durante uma conferência com parlamentares europeus em Vilna, capital da Lituânia, Rasmussen afirmou que a "comunidade internacional deve tomar medidas militares contra a Síria", diante do que qualificou de evidência do uso de armas químicas por parte do regime de Damasco.

Ele descartou a possibilidade de os rebeldes sírios terem sido os responsáveis pelo ataque químico, sob a alegação de que eles "não teriam meios" para executar uma ação do tipo.

O comandante da Otan reuniu-se, na quinta-feira, com os ministros de Defesa da União Europeia. Muitos países-membros se negaram a participar de uma ação armada contra a Síria. Os chanceleres da UE receberão, no sábado, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, em uma visita que reflete o esforço de Washington para obter apoio à ação militar. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.