Otan decide hoje seu futuro no Afeganistão

Chefes de Estado e de governo dos 28 integrantes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se reúnem hoje e amanhã, em Lisboa, para redefinir os rumos da aliança. Na pauta oficial, um tema predomina: a tentativa de acordo sobre o programa de retirada das tropas do Afeganistão, entre 2011 e 2014. Além da "guerra ao terror", a construção de um escudo antimísseis, a reorganização dos arsenais nucleares na Europa e a tentativa do Ocidente de atrair a Rússia para o rol de países que colaboram com a organização também serão discutidas.

AE, Agência Estado

19 de novembro de 2010 | 08h43

Na cúpula, líderes políticos como Barack Obama (EUA), Nicolas Sarkozy (França), David Cameron (Grã-Bretanha) e Angela Merkel (Alemanha) buscam uma forma de deixar o Afeganistão sem que a retirada seja interpretada como um abandono do país. O objetivo oficial é estabelecer uma "parceria de longo prazo" entre a Otan e o governo afegão de Hamid Karzai.

O acordo resultaria na transferência progressiva das operações antiterrorismo às forças afegãs entre 2011 e 2014. Essa transição de poder para o Exército e a polícia locais se daria distrito a distrito, ao longo de 18 a 24 meses, a partir do primeiro semestre de 2011. Caso o cenário de fato se concretize, as operações da Força Internacional de Estabilização (Isaf) seriam encerradas em 2014, possibilitando a retirada das tropas dos 48 países - 28 dos quais da Otan - com efetivos em solo afegão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
OtanAfeganistãoguerraretirada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.