Otan destrói ônibus em mansão de Kadafi, na Líbia

Segundo fontes líbias, veículo pertencia a ditador; ninguém morreu durante ataque

AE, Agência Estado

28 de junho de 2011 | 08h52

Em mais uma ofensiva da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra a área residencial do ditador Muamar Kadafi, um bombardeio destruiu um ônibus que, de acordo com fontes do governo líbio, pertencia ao ditador. O veículo estava estacionado em sua mansão de Trípoli, no complexo de Bab al-Aziziya. Não foram registradas mortes.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

Aviões teriam acertado dois mísseis no ônibus que Kadafi utilizava para se deslocar com sua comitiva, segundo as autoridades que levaram a imprensa ao local duas horas depois do bombardeio. A residência de Kadafi foi atacada diversas vezes pela Otan nos cem dias de incursões aéreas na Líbia. Em maio, a Rússia condenou um ataque aéreo que matou um filho e três netos do ditador. Para o ministério de Relações Exteriores russo, houve o "uso excessivo da força".

Na manhã de ontem, um grupo contrário ao ditador colocou na internet um vídeo em que ativistas colocavam fogo em um outdoor com o rosto de Kadafi no centro de Trípoli. Não foi possível atestar quando e em que condições as imagens foram gravadas.

No domingo, os rebeldes avançaram pelo oeste do país, dominando os arredores da cidade de Bair al-Ghanam, a apenas 80 quilômetros de Trípoli. O avanço dos rebeldes se dá após semanas de conflitos contra as forças Kadafi nas montanhas de Nafusa e aumenta a pressão sobre as tropas do ditador, ao abrir uma segunda frente de combate. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesKadafiOtanônibus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.