Otan discutirá derrubada de caça turco em reunião de emergência

Governo sírio admitiu que abateu aeronave, que teria invadido seu espaço aéreo; EUA qualificam ação de 'inaceitável'

ANCARA, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2012 | 03h04

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) realizará amanhã, a pedido do governo turco, uma reunião de emergência para discutir a ação que derrubou um caça da Turquia na sexta-feira. No dia seguinte à queda do avião, a Síria admitiu tê-lo abatido, afirmando que ele teria invadido seu território. Já Ancara afirma que a aeronave estava desarmada e voava em espaço aéreo internacional.

Mesmo se a Otan confirmar que a versão dos turcos é a correta, porém, a reunião de amanhã não deverá resultar em uma intervenção armada da aliança atlântica contra o governo sírio.

Ontem, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, condenou o ataque. "Os EUA condenam esse ato descarado e inaceitável. Isso é mais um reflexo do insensível desrespeito do governo sírio por normas internacionais, a vida humana, a paz e a segurança", disse.

Hillary afirmou que Washington manterá um contato próximo com as autoridades turcas enquanto elas determinam sua resposta. Ancara já ameaçou retaliar - ao iniciar as buscas pelos dois pilotos desaparecidos na ação, que até ontem não tinham sido encontrados - mas não disse que medida irá tomar.

"Trabalharemos com a Turquia e outros parceiros para responsabilizar o regime de (Bashar) Assad", disse a americana.

A mídia estatal turca afirmou que os destroços da aeronave de reconhecimento RF-4E no Mar Mediterrâneo, a 1.300 metros de profundidade, mas Ancara não confirmou o relato.

Mais mortes. Segundo relatos, cerca de 40 pessoas foram mortas ontem durante novos confrontos entre os rebeldes que tentam derrubar o presidente sírio e as tropas do governo de Assad. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.