Otan diz que 200 talebans morreram em operação em Kandahar

Forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e do Afeganistão mataram cerca de 200 suspeitos talebans, em uma das maiores operações já realizadas no sudeste da província de Kandahar, Afeganistão, envolvendo ataques aéreos e de artilharia durante o final de semana. Quatro soldados da Força de Assistência de Segurança Internacional, liderada pela Otan, morreram na operação e outros sete ficaram feridos, segundo nota distribuída pela aliança. Cerca de 80 suspeitos talebans foram presos, enquanto 180 fugiram, diz a nota. "As informações indicam que mais de 200 militantes talebans foram mortos desde que a operação Medusa foi iniciada, na manhã de sábado", completa a nota. As informações sobre o número de mortos não pôde ser confirmada por fontes independentes. O porta-voz do Ministério da Defesa do Afeganistão, general Zahir Azimi, citando informes de inteligência, disse mais cedo que 89 suspeitos de serem militantes do Taleban teriam morrido, além de civis, durante os dois dias de combates. Ele disse que não haviam sido reportadas baixas entre as forças afegãs. O ministro da defesa do Afeganistão, Abudl Tahim Wardak, disse que o número de mortos entre os talebans foi elevado, mas que não poderia confirmar as informações da Otan, de que mais de 200 militantes teriam sido mortos. O porta-voz da Otan, major Scott Lundy, disse que as forças da Otan e do Afeganistão ganharam terreno durante a operação e desorganizaram o comando e o controle dos militantes e, por isso, seus combatentes estariam se movendo de forma confusa. No sábado, um avião de reconhecimento que dava suporte a operação Medusa em Panjwayi caiu, matando todos os 14 militares britânicos a bordo. A Otan disse que a queda da aeronave não foi provocada por fogo hostil. Azimi disse que as forças da Otan e do Afeganistão lançaram cerca de 40 ataques aéreos e de artilharia. Esta manhã, as forças conjuntas lançaram uma ofensiva por terra, cruzando uma ponte na área de Argandab, após um ataque aéreo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.