Otan diz que Kadafi perdeu força militar

Segundo secretário geral de aliança, 'máquina de guerra' líbia foi significantemente afetada

Agência Estado

19 de maio de 2011 | 11h18

BRATISLAVA - A campanha de ataques da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Líbia reduziu o poderio militar do governante Muamar Kadafi, afirmou nesta quinta-feira, 19, o secretário-geral da aliança, Anders Fogh Rasmussen. Segundo ele, a "máquina de guerra" de Kadafi foi "significativamente" afetada, e esses resultados já são vistos pois "a oposição ganhou espaço".  

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

Rasmussen falou em Bratislava, ao lado do presidente da Eslováquia, Ivan Gasparovic. "O regime de Kadafi está cada vez mais isolado", afirmou o chefe da Otan. "Nós manteremos uma forte pressão militar sobre o regime de Kadafi, e estou confiante de que uma combinação de uma forte pressão militar e a crescente pressão política e o apoio à oposição irão finalmente levar ao colapso do regime", acrescentou Rasmussen. Ele disse que a missão continuará até estar concluída.

"Há três objetivos militares claros para nossa operação", afirmou Rasmussen. "Em primeiro lugar, o fim completo de todos os ataques contra civis. Em segundo, a volta das forças militares e das forças paramilitares de Kadafi para suas bases. E, em terceiro, o acesso imediato e total ao povo em necessidade na Líbia", listou. "Nós continuaremos nossa operação até que esses objetivos sejam cumpridos."

A Otan age sob a autorização de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, para garantir uma zona de exclusão aérea no país e proteger a população civil. As forças de Kadafi perderam grandes porções de território no leste do país para rebeldes contrários ao regime. Também hoje, porém, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, advertiu para a piora da situação humanitária na Líbia, em meio a tentativas frustradas de garantir um cessar-fogo.

Tunísia

Autoridades da Tunísia negaram hoje as versões segundo as quais familiares de Kadafi, entre eles sua mulher e a filha, haviam fugido para o país. "Esses relatos são totalmente falsos", afirmou uma fonte do governo, pedindo anonimato.

O procurador-geral do Tribunal Penal Internacional (TPI), Luis Moreno-Ocampo, pediu nesta semana que juízes do órgão emitam mandados de prisão contra Kadafi, seu filho Seif Al-Islam e o chefe do serviço de inteligência, Abdallah Al-Senoussi.

A insurgência na Líbia começou em fevereiro. Dezenas de milhares de pessoas, incluindo muitos trabalhadores imigrantes estrangeiros, fugiram da violência e seguiram para a Tunísia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataqueOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.