Otan diz que poderia obter melhores resultados na Líbia se tivesse mais meios

Organização rebateu críticas da França e Reino Unido sobre intensidade das operações

estadão.com.br,

12 de abril de 2011 | 10h04

BRUXELAS - A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmou nesta terça-feira, 12, que poderia obter mais resultados na Líbia se tivesse mais meios militares, em resposta as críticas de alguns países sobre a intensidade das operações na Líbia.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi  

 

"Se nós tivéssemos mais meios, poderíamos fazer mais", afirmou o general Mark van Uhm, chefe de operações no quartel-general para a Europa da aliança. Hoje, os ministros de Exteriores da França e do Reino Unido criticaram o ritmo de ações da organização.

 

Críticas

 

O ministro das Relações Exteriores francês, Alain Juppé, queixou-se nesta terça-feira de que o papel que a Otan cumpre na Líbia é insuficiente e defendeu a destruição das armas pesadas utilizadas pelas tropas de Kadafi no bombardeio a Misrata.

 

 

"Em primeiro lugar, a Otan deve cumprir plenamente seu papel. A Otan quis assumir a direção das operações e nós aceitamos. Agora deve cumprir seu papel, ou seja, que Kadafi não utilize novamente armas pesadas para bombardear a população", declarou Juppé em entrevista à emissora de rádio France Info.

 

O ministro francês assinalou que abordará esta questão na reunião desta terça-feira em Luxemburgo com seus colegas da União Europeia (UE), em encontro do qual participará um enviado da oposição líbia e no qual será analisado em particular o envio de uma missão humanitária para assistir à população mais afetada pelos combates.

"É preciso fazer um grande esforço e acentuar a ajuda humanitária. A UE, que não quis se implicar na parte militar da operação, deve dar prioridade absoluta a esta ajuda humanitária", comentou com relação à reunião em Luxemburgo.

Questionado sobre o risco de uma partilha da Líbia, o chefe da diplomacia francesa assegurou que "todo o mundo quer evitar isso".

Juppé assinalou que esse é o objetivo da reunião prevista para Doha para "iniciar um diálogo político" entre o Conselho Nacional de Transição (CNT) e "as autoridades da sociedade civil líbia" e "os que em Trípoli dizem que não há futuro com Kadafi, que são cada vez mais".

O ministro de Relações Exteriores britânico, William Hague, também fez críticas à Otan hoje. Ele acredita que a organização deve "manter e intensificar os esforços militares" na Líbia para proteger a população civil das ofensivas de Kadafi.

Hague declarou que o Reino Unido havia enviado à Líbia novos recursos aéreos nas últimas horas e convidou outros aliados "a fazer o mesmo".

O ministro reiterou que a Líbia só terá um futuro "viável" quando Kadafi "sair do país". Com relação à possibilidade de um cessar-fogo por parte das tropas do regime líbio, o britânico disse que "Kadafi já descumpriu dois supostos acordos".

Hague acredita que "o importante é alcançar um cessar-fogo real" para que depois "a ONU possa realizar sua verificação".

Com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.