Otan está preparada para 'longa campanha na Líbia', diz Grã-Bretanha

Aliança tem planos de contingência preparados para 'vários cenários', diz secretário de Defesa

Associated Press

16 de maio de 2011 | 17h03

LONDRES - O secretário de Defesa da Grã-Bretanha, Liam Fox, afirmou nesta segunda-feira, 16, que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e seus aliados estão prontos para continuar com uma "longa" campanha de ataques aéreos contra as tropas do ditador Muamar Kadafi na Líbia.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

 

Fox disse aos parlamentares britânicos que há planos de contingência estabelecidos para vários cenários diferentes, incluindo um que prevê meses de operação, mas disse esperar que Kadafi vá se curvar à pressão internacional e deixar o poder, como pedem países do Ocidente e até do mundo árabe. "A esperança é que Kadafi reconheça que o jogo acabou", disse.

 

 

O secretário de Defesa ainda afirmou que a Otan discute quais outros alvos do ditador poderiam ser atacados. Segundo ele, a comunidade internacional "não vai cessar os ataques enquanto a tarefa não for devidamente cumprida".

 

A Otan realiza ataques e sobrevoos sobre as tropas e instalações do ditador sob tutela de uma resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que prevê a defesa dos civis líbios. Kadafi, há quase 42 anos no poder, tem usado armas pesadas para combater a insurgência que tenta derrubá-lo.

 

O secretário de Exteriores, William Hague, por sua vez, alertou o Parlamento sobre futuros atrasos no processo de paz do Oriente Médio por conta das revoltas que ocorrem em vários países da região. Ele disse que a chamada "primavera árabe" está em seu estágio inicial e causou incertezas na negociações entre israelenses e palestinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.