Otan estuda acelerar transição de segurança no Afeganistão

Secretário da entidade afirma que tropas ficarão o 'tempo necessário' no país até que a situação seja estável

Efe,

23 de outubro de 2009 | 08h05

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, assegurou nesta sexta-feira, 23, que a organização continuará no Afeganistão "o tempo necessário" para que as forças locais sejam capazes de resistir aos insurgentes, ao início de uma reunião na qual os aliados discutem como acelerar esta transição.

 

Veja também:

linkObama pode decidir sobre envio de tropas antes do 2º turno

linkAfeganistão é o maior desafio da história da Otan, diz secretário

linkApós fraude, Afeganistão começa a preparar segundo turno

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

Os ministros da Defesa da Otan começaram sua segunda e última jornada de Conselho informal em Bratislava, capital Eslováquia, com o propósito de estudar a avaliação do Comandante da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), o general Stanley McChrystal, que pediu acrescentar entre 30 mil e 40 mil soldados aos 68 mil que já atuam no país. As nações envolvidas com a situação afegã estão à espera de uma posição dos EUA ao respeito, que não informou se decidirá sobre o envio de tropas antes ou depois do segundo turno das eleições presidenciais afegãs, que ocorrem no próximo dia 7 de novembro.

 

Rasmussen encorajou os representantes dos 28 países da Otan a definir suas prioridades para que "Afeganistão seja o suficientemente forte para resistir a insurreição e o terrorismo, que não só ameaça ao povo afegão, mas ao resto dos países". Em sua opinião, se surgem progressos e "há luz no fim do túnel", as opiniões públicas nacionais apoiarão este esforço.

 

Para Rasmussen, no Afeganistão não se pode separar a luta contra o terrorismo e contra a insurgência, nem o Taleban da Al Qaeda. Por isso, o dinamarquês quer que os países se mostrem dispostos a fazer mais esforços econômicos e de treinamento para que os próprios afegãos tomem a liderança com o apoio da Otan, já que por enquanto não se fala em "uma transição rumo à retirada".

 

O secretário de Defesa americano, Robert Gates, assiste à sessão com a intenção de escutar aos aliados e pedir que, pelo menos, continuem com suas atuais contribuições à missão.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãotropassegurançaOtanEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.