Otan investiga supostos crimes dos EUA no Afeganistão

A coalizão liderada pelos Estados Unidos no Afeganistão ainda não encontrou nenhuma evidência que sustente as acusações de afegãos sobre supostos delitos realizados pelas forças especiais norte-americanas na estratégica província de Wardak, afirmou um porta-voz da aliança.

AE, Agência Estado

25 de fevereiro de 2013 | 10h36

O general alemão Gunter Katz disse que a Força Internacional de Assistência para Segurança trabalhará com o governo para encontrar uma solução sobre as preocupações dos cidadãos do Afeganistão. No entanto, o representante afirmou que ainda não pode comentar sobre as acusações de que afegãos ligados às forças especiais dos EUA estão envolvidos em abusos que incluem tortura, assassinatos e prisões ilegais.

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, ordenou no domingo que todos os soldados das forças especiais dos EUA deixassem Wardak dentro de duas semanas e pediu que suas operações fossem encerradas imediatamente. Vizinha da região de Cabul, a província de Wardak é vista como um ponto de entrada para a capital do país e tem sido foco de esforços de contrainsurgência nos últimos anos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoOtanviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.