Otan luta para conseguir mais tropas para o Afeganistão

Representantes militares da Otan iniciaram nesta quarta-feira uma reunião no quartel general de Mons, no sudeste de Bruxelas, para recrutar as forças adicionais necessárias para combater os insurgentes Taleban no sul do Afeganistão.A reunião foi convocada pelo comandante supremo europeu, general James L. Jones, que afirmou na última semana que a Otan só tinha colocado 85% das forças prometidas ao sul do país e explicou que ante a resistência Taleban, os 15% restante são necessários.Jones apontou a necessidade de um batalhão de reserva - aproximadamente 1.000 efetivos, segundo a Otan- helicópteros de combate e aviões de transporte, o que dá um total de 2.500 combatentes. Segundo fontes oficiais da própria Otan, as decisões tomadas na reunião desta quarta-feira devem ser divulgadas posteriormente. Por outro lado, fontes diplomáticas do grupo afirmaram que o assunto será discutido na reunião entre os ministros de Assuntos Exteriores da Otan, que vai ser realizada em Nova York, no próximo dia 21, paralelamente à Assembléia Geral das Nações Unidas.A Força Internacional de Assistência a Segurança (Isaf) da Otan, assumiu o controle do sul do Afeganistão dia 31 de julho, passando a ser responsável pela segurança de 85% do país.No Sul, onde até então havia a presença limitada de forças da Operação antiterroristas "Liberdade Duradoura" liderada pelos Estados Unidos, as forças da Isaf enfrentam uma dura resistência por parte dos Taleban. A Isaf conta com 20 mil combatentes no Afeganistão, a metade deles no Sul, onde Reino Unido, Canadá e Holanda são os países que mais contribuem na segurança.Londres, que enviou 4 mil combatentes à região, afirmou que apóia o envio de tropas ao país, mesmo considerando que o governo britânico já deu sua contribuição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.