Otan mata dez talebans no sul do Afeganistão

Dez supostos talebans, entre eles um comandante de distrito, morreram no sul do Afeganistão em confrontos com forças da polícia afegã e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), informou, nesta quarta-feira, em Cabul, o Ministério do Interior.Os choques ocorreram na última segunda-feira, quando os agentes afegãos, apoiados por forças aéreas da Otan, atacaram o refúgio dos militantes no distrito de Gramsir, na província de Helmand, de acordo com o porta-voz do Interior Dai Mohammad Rasa.Rasa afirmou que as tropas mataram na operação o Mulá Maroof, comandante que supostamente estava a cargo das atividades dos militantes no distrito de Gramsir.Helmand foi uma das províncias mais afetadas pela violência no Afeganistão, que só no ano passado deixou 4 mil mortos.Em 19 de dezembro, o Mulá Akhtar Osmani, integrante da cúpula dos talebans e estreito colaborador do Mulá Omar, morreu na província em um ataque aéreo das forças da coalizão liderada pelos Estados Unidos.Um porta-voz da Força para a Assistência à Segurança (Isaf) sob comando da Otan assegurou nesta quarta-feira em Cabul que a única coisa que a organização fez de errado em 2006 foi matar civis por erro."Acho que a única coisa que fizemos mal, e estamos trabalhando muito para melhorar no próximo ano, foi matar civis inocentes", disse o brigadeiro Richar Nugee, em entrevista coletiva.Nugee ressaltou, porém, que a Isaf matou muitos menos civis inocentes que os talebans: "Não se pode fazer absolutamente nenhuma comparação", afirmou, antes de assegurar que os talebans mataram cerca de 400 civis desde outubro.O ano passado foi o mais sangrento no Afeganistão desde a invasão liderada pelos EUA, em 2001, com cerca de mil civis mortos entre o total de vítimas.Muitos deles morreram ao ficarem presos no fogo cruzado entre as duas partes, enquanto centenas perderam a vida quando suas casas foram bombardeadas ao serem consideradas supostos refúgios de terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.