Otan promete mais 7 mil soldados para Afeganistão

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, disse hoje em comunicado que uma conferência de aliados realizada no quartel-general militar da Otan na cidade de Mons, Bélgica, confirmou as promessas anteriores de envio de mais 7 mil soldados para o Afeganistão.

AE-AP, Agencia Estado

07 de dezembro de 2009 | 19h04

"Temos claras indicações de que novas contribuições serão feitas em 2010. Isso vai elevar o total de soldados não norte-americanos da missão para mais de 7 mil", disse ele. Segundo a Otan, há "claras indicações" de que outros países europeus enviarão mais reforços nos próximos meses.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, espera que seus aliados forneçam mais 10 mil militares. Somando os militares aliados, os 30 mil novos soldados norte-americanos e os 106 mil militares estrangeiros que já servem no Afeganistão devem constituir uma força internacional com mais de 140 mil homens em meados do ano que vem.

A Alemanha e a França disseram que vão esperar pela conferência sobre o Afeganistão, que será realizada no próximo mês em Londres, para decidir se enviarão mais forças. Os dois países são os que mais enviaram tropas ao Afeganistão depois dos Estados Unidos, com 3.100 e 4.300 soldados respectivamente, mas seus contingentes tornam-se pequenos perto dos 71 mil soldados norte-americanos.

A capacidade de assegurar o envio de mais tropas para a guerra, num período em que cresce a oposição ao conflito na Europa, é vista como um teste crucial para a relevância da Otan como parceira militar confiável dos Estados Unidos.

A conferência de hoje teve a participação de representantes militares de todos os 28 aliados e de outros 15 países que colaboram com soldados para a Força Internacional para a Assistência à Segurança (Isaf, pela sigla em inglês) no Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoguerraOtanEUAsoldados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.