Otan reconhece erro em morte de 'insurgentes' afegãos

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) voltou atrás hoje da afirmação de que havia dois "conhecidos insurgentes" entre as quatro pessoas mortas nesta semana e reconheceu erro na ação em que um comboio militar abriu fogo contra o veículo em que estavam as vítimas, no leste afegão. A ação na noite de segunda-feira na província de Khost resultou em protestos das famílias das vítimas, que afirmam que os quatro eram civis que voltavam para casa após um jogo de voleibol. A vítima mais nova tinha apenas 13 anos, disse Rahmatullah Mansour, que perdeu dois filhos e dois sobrinhos.

AE-AP, Agência Estado

21 de abril de 2010 | 11h04

A Otan havia inicialmente descrito duas das vítimas como insurgentes porque suas impressões digitais estavam em sua base de dados biométricos. Mas a presença no banco de dados não necessariamente significa que eram insurgentes. "Enquanto é correto dizer que eles estavam na base de dados, isso ainda não é relevante em relação ao incidente de segunda-feira à noite", disse a Otan em comunicado.

A Otan disse que atirou contra o carro porque ele manteve a aceleração na direção do comboio militar apesar das tentativas de fazer o veículo parar com o piscar de luzes e disparos de advertência. As vítimas estavam desarmadas e nenhuma arma foi encontrada no carro. Mansour disse que as vítimas dos disparos da segunda-feira foram seus filhos Faizullah, de 13 anos, e Nasratullah, de 17, além de seus sobrinhos Maiwand e Amirullah, ambos de 18 anos. Segundo ele, todos eram estudantes, exceto Amirullah, que era policial. "Ninguém pode imaginar o que está acontecendo com minha família", disse Mansour. "Dois irmãos e eu perdemos filhos. Foi difícil até mesmo reconhecer os corpos porque eles tinha buracos de balas nos rostos, peitos, mãos e pés."

A Otan informou também que um suposto fabricante de bombas do Taleban foi capturado no distrito de Arghandab, em Kandahar, durante uma ação na noite de ontem, além de outros doze supostos insurgentes. Também ontem, policiais de fronteira afegãos que inspecionavam veículos ao longo da fronteira da Kandahar com o Paquistão descobriram mais de 1.450 quilos de nitrato de amônia, substância altamente explosiva. A quantidade encontrada é suficiente para fabricar várias bombas - geralmente colocadas à margem de estradas. Também foram encontrados 12 bastões de uma substância que, acredita-se, seja dinamite, e 800 pavios. Uma pessoa foi detida durante a operação.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaAfeganistãoOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.