Lynsey Addario/NYT
Lynsey Addario/NYT

Otan rejeita zona de exclusão aérea que poderia ampliar guerra

EUA e Europa temem que uma intervenção na Ucrânia signifique desatar um conflito direto contra tropas da Rússia

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2022 | 22h21

OSLO - A Otan rejeitou nesta sexta-feira, 4, os pedidos de criação de uma zona de exclusão aérea na Ucrânia. O secretário-geral da aliança atlântica, Jens Stoltenberg, assegurou que a organização não terá aviões operando na Ucrânia, nem tropas em território ucraniano. “Os aliados concordaram que não deveríamos ter aeronaves sobre o espaço aéreo da Ucrânia ou tropas em território ucraniano”, disse Stoltenberg. 

Segundo ele, “a única maneira de implementar uma zona de exclusão aérea na Ucrânia” seria enviando aviões de combate da Otan, que teriam de derrubar aviões russos que operam na Ucrânia. “Acreditamos que, se fizermos isso, vamos acabar tendo uma guerra total na Europa, envolvendo muitos outros países e causando muito mais sofrimento humano.”

O presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, lamentou a decisão da Otan. “Hoje, a liderança da aliança deu luz verde para a continuação do bombardeio de cidades ucranianas, recusando-se a estabelecer uma zona de exclusão aérea”, afirmou Zelenski, em mensagem de vídeo.

A imposição de uma zona de exclusão aérea marcaria uma escalada significativa na guerra e potencialmente levaria a Otan --- da qual a Ucrânia não é membro -- diretamente para um conflito com uma potência nuclear. 

Uma zona de exclusão aérea é um espaço aéreo onde determinadas aeronaves não podem entrar. No contexto de conflitos e guerras, normalmente é usado para impedir que aeronaves proibidas entrem no espaço aéreo para lançar ataques, transportar tropas e armas e realizar vigilância. As zonas de exclusão aérea devem ser reforçadas militarmente, o que pode incluir o abate de aeronaves proibidas.

No caso do conflito da Ucrânia, se a Otan concordasse em estabelecer uma zona de exclusão aérea, isso poderia significar que caças de seus Estados membros fossem obrigados a abater caças russos, o que poderia gerar combate direto entre a Otan e a Rússia, o que a aliançar militar busca a todo custo evitar. 

Como parte da intervenção militar de 2011 na Líbia, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma zona de exclusão aérea no páis. A resolução inclui disposições para outras ações para prevenir ataques a alvos civis. A Otan aproveitou a oportunidade para tomar a ofensiva, e caças franceses bombardearam posições do governo líbio, que acabaram levando à caçada e morte de Muamar Kakafi. 

Temor

EUA e Europa temem um envolvimento direto contra tropas russas. Por isso, até agora, o máximo que fizeram foi intensificar o envio de armas e de equipamento militar para a Ucrânia. Os holandeses despacharam lançadores de foguetes. Os estonianos, mísseis antitanque Javelin. 

Os poloneses e os letões, mísseis terra-ar Stinger. Os checos, metralhadoras, fuzis, pistolas e munição. Mesmo países neutros, como Suécia e Finlândia, estão enviando armas. E a Alemanha, que evitava esse papel, mandou para a Ucrânia Stingers e lançadores de foguetes.

Ao todo, cerca de 20 países estão canalizando armas para a Ucrânia para combater os russos e armar uma insurgência. Ao mesmo tempo, a Otan está movendo equipamento militar e até 22 mil soldados a mais para Estados-membros que fazem fronteira com Rússia e Belarus. A invasão da Ucrânia, a maior ameaça à segurança europeia das últimas décadas, uniu os países do continente.

“A segurança e a defesa europeias evoluíram nos últimos seis dias do que nas últimas duas décadas”, afirmou Ursula von der Leyen, presidente do braço executivo da União Europeia. É improvável, no entanto, que o armamento europeu faça alguma diferença no campo de batalha ucraniano. A preocupação é que a estratégia encoraje uma guerra mais ampla e uma retaliação de Putin. 

Ameaça

O Kremlin vê a Otan comprometida em ameaçar ou mesmo destruir a Rússia por meio de seu apoio à Ucrânia, após fazer um alerta nuclear para lembrar à Europa e aos EUA dos riscos de uma interferência. As duas últimas guerras mundiais começaram em razão de conflitos menores, e a proximidade da Otan aumenta o perigo de atrair outras partes para um conflito de maneiras inesperadas.

Stoltenberg voltou a falar sobre o assunto na terça-feira, ao visitar uma base aérea polonesa. “A guerra de Putin afeta a todos nós e os aliados da Otan sempre estarão juntos para defender e proteger uns aos outros”, disse. “Nosso compromisso com o Artigo 5.º, nossa cláusula de defesa coletiva, é firme. Não deve haver espaço para erros de cálculo ou mal-entendidos.”

O secretário-geral da Otan garantiu que os países da aliança farão o que for preciso para “defender cada centímetro do território da Otan”. 

Por enquanto, a luta está na Ucrânia. Embora a Otan e a União Europeia tenham deixado claro que seus soldados não lutariam contra a Rússia em território ucraniano, os Estados-membros estão ativamente engajados em ajudar os ucranianos a se defenderem.

O armamento ocidental tem entrado na Ucrânia em quantidades relativamente grandes, mas não reveladas. E a velocidade é essencial à medida que a invasão russa prossegue e enquanto a fronteira da Ucrânia com a Polônia permanece aberta. /NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.