Otan sugere pacto com Rússia e EUA para defesa global

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, pediu hoje uma nova parceria com a Rússia. Em um discurso, Rasmussen defendeu "cooperação prática" com Moscou sobre temas de defesa global. "A Otan quer a Rússia como um participante de fato da segurança europeia e internacional", afirmou Rasmussen, na sede da aliança em Bruxelas. Ele também sugeriu que a Otan e a Rússia trabalhar em parceria com os EUA. "Nós devemos explorar o potencial de ligação entre os sistemas de defesa antimíssil dos EUA, da Otan e da Rússia em um momento propício."

AE, Agencia Estado

18 de setembro de 2009 | 16h17

Falando sobre sua visão para uma arquitetura global de defesa harmonizada, os comentários do ex-primeiro-ministro da Dinamarca foram feitos um dia depois da decisão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de cancelar o escudo antimísseis planejado pela administração George W. Bush para o Leste Europeu, reformulando o projeto. O secretário-geral disse que apoiará a ideia do presidente russo, Dmitry Medvedev, de estabelecer um acordo de segurança que vá do extremo Leste até a costa oeste dos EUA. Rasmussen defendeu uma arquitetura de segurança para a região "Euro-Atlântica na qual a Rússia se veja refletida". Segundo ele, estabelecer meios de evitar a proliferação da tecnologia de mísseis balísticos é parte do "interesse estratégico fundamental da Otan e da Rússia". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUARússiaOtanmísseis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.