Otan usa helicópteros em ataque a Trípoli

TRÍPOLI

, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2011 | 00h00

Aviões britânicos voltaram a atacar ontem instalações militares na capital da Líbia, Trípoli, aumentando a pressão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) sobre o ditador Muamar Kadafi. Os bombardeios foram realizados um dia depois de a coalizão ocidental usar, pela primeira vez, helicópteros contra alvos na cidade.

Ao intensificar os ataques aéreos e usar helicópteros para atacar as forças governamentais que se escondem entre a população civil, a Otan garante um importante apoio aos rebeldes, que tomaram grande parte do leste do país e avançam rumo à capital. Nos últimos dias, os opositores expulsaram soldados de Kadafi de três cidades no oeste do país e romperam o cerco a uma quarta.

Um funcionário do governo líbio, sob anonimato, afirmou que os bombardeios de ontem não causaram mortes porque as instalações militares já haviam sido abandonadas, justamente pela ameaça de ataques aéreos.

Segundo a Otan, foram disparados oito mísseis contra um depósito de foguetes terra-ar em Trípoli. Ontem, foram atacadas ainda instalações militares na cidade de Tajura, no oeste.

O uso de helicópteros nas missões de combate garantem maior proximidade do alvo, aumentando a vantagem da coalizão ao permitir o sobrevoo em altitudes mais próximas do solo e permitindo acertar com mais precisão os alvos em terra.

Ofensiva ocidental. No sábado, helicópteros britânicos destruíram duas bases militares, um radar e um ponto de controle armado perto da cidade de Brega, no leste do país. Aeronaves francesas atacaram um comboio militar.

Na sexta-feira, helicópteros de combate franceses e britânicos entraram pela primeira vez em ação desde o início das operações internacionais, dirigidas desde 31 de março pela Otan.

Desde o início da rebelião contra o ditador líbio, em fevereiro, a repressão ao movimento matou cerca de 15 mil pessoas e forçou a fuga de outras 890 mil, segundo dados da Organização das Nações Unidas. / AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.