Otan volta a bombardear área próxima ao complexo de Kadafi

Não se sabe se ataques deixaram vítimas; militares líbios desertam e fogem para a Tunísia

Associated Press e Efe

16 de junho de 2011 | 08h38

TRIPOLI - Novos ataques aéreos da Otan voltaram a ocorrer próximos ao complexo residencial de Muamar Kadafi antes do amanhecer desta quinta-feira, 16, em Trípoli, capital da Líbia.

 

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

Uma série de explosões puderam ser ouvidas em rápida sucessão pouco antes das cinco da manhã. Uma coluna de fumaça pôde ser vista subindo das áreas vizinhas ao complexo do ditador líbio em Bab al-Aziziya, enquanto sirenes soavam nas ruas próximas.

 

 

Ainda não se sabe qual foi o alvo dos ataques nem se há vítimas. Funcionários do governo não fizeram declarações sobre os bombardeios.

 

Deserção

 

Pelo menos 46 militares líbios, entre eles vários oficiais de alta categoria, desertaram das forças leais a Kadafi e chegaram à Tunísia nos últimos dois dias, segundo a agência estatal tunisiana "TAP".

 

Na quarta-feira passada, 19 militares, incluindo oficiais, chegaram à cidade litorânea de Bengerdane, no leste de Tunísia e na fronteira com a Líbia, segundo a mesma fonte. No dia anterior, outros 27 combatentes líbios, entre eles também vários de alta patente, conseguiram chegar a essa região. Todos saíram da Líbia por via marítima a bordo de embarcações que atracaram no porto de Ketef.

 

A agência tunisiana explicou que os militares escaparam dos combates entre as forças do regime e as tropas insurgentes, que se intensificaram nos últimos dias em diversas áreas da Líbia.

 

Além disso, a "TAP" informou que 13 combatentes insurgentes, que ficaram feridos em confrontos com soldados pró-Kadafi, foram atendidos em hospitais tunisianos após terem cruzado a fronteira entre os dois países nas ultimas 48 horas em dois grupos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.