Otan volta a bombardear complexo residencial de Kadafi

Outras regiões de Trípoli também foram alvo de ataques da aliança ocidental

Efe

10 de maio de 2011 | 08h50

ARGEL - Várias explosões, aparentemente por ataques da Otan, foram ouvidas na madrugada desta terça-feira, 10, nas imediações do complexo residencial de Muamar Kadafi em Trípoli, assim como em outras áreas da capital líbia, segundo manifestaram testemunhas à rede de televisão "Al-Jazira".

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

As mesmas fontes relataram que vários aviões produziram até oito ataques durante aproximadamente três horas e que quatro explosões foram ouvidas na capital pouco depois das 2h locais (21h de Brasília), seguidas de outras duas fortes detonações minutos depois.

 

Segundo um morador da capital líbia, um escritório de inteligência foi atingido pelos bombardeios.

 

Algumas testemunhas asseguraram ainda que duas explosões foram ouvidas nas proximidades das sedes da televisão estatal líbia e da agência de informação oficial "Jana".

 

A "Al-Jazira" informou que duas das seis explosões atingiram o complexo residencial de Kadafi, enquanto as outras quatro impactaram contra um edifício de inteligência.

 

Já um porta-voz militar do regime líbio indicou nesta terça-feira que a Otan bombardeou vários edifícios "civis" em Trípoli, entre eles a Suprema Corte e o escritório do procurador-geral do Estado, segundo a "Jana".

 

O porta-voz, não identificado pela agência oficial, manifestou que a "nova agressão da aliança dos cruzados" foi dirigida ainda contra instituições de direitos humanos, de proteção das mulheres e das crianças e de reabilitação de surdos-mudos.

 

Além disso, declarou que a sede do Alto Comissariado para a Infância da Líbia, no bairro de Dahmani da capital, ficou completamente destruída após ser atacada pela segunda vez pela Otan, que, de acordo com ele, já havia bombardeado o edifício em 30 de abril.

 

"Esta agressão constitui um novo desafio à consciência do mundo, em violação flagrante de todas as cartas e convenções internacionais destinadas a proteger as instituições judiciais e as encarregadas de proteger as crianças e as pessoas com incapacidade".

 

Os novos bombardeios da Otan em Trípoli acontecem depois de o secretário-geral da Aliança, Anders Fogh Rasmussen, ter advertido na segunda-feira que o tempo havia acabado para Kadafi e que o coronel devia "compreender que é melhor mais cedo que tarde, que não há futuro para ele nem para seu regime".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.