Otimista, Obama reitera saída do Afeganistão

Apesar de admitir "ganhos frágeis e reversíveis" no Afeganistão, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, confirmou ontem o início da retirada das tropas do país em julho de 2011. Ao fim da revisão do primeiro ano de adoção da estratégia para o Afeganistão, ele listou as necessidades urgentes de promover o desenvolvimento político e econômico afegão e de obter a cooperação efetiva do Paquistão no combate à Al-Qaeda.

AE, Agência Estado

17 de dezembro de 2010 | 09h02

"Estamos em melhor posição para dar às nossas forças no Afeganistão o apoio e os recursos necessários para completar essa missão", afirmou Obama, ao lado dos secretários de Estado, Hillary Clinton, e de Defesa, Robert Gates. As discussões internas sobre a estratégia, lançada em dezembro de 2009, ocorreram na terça-feira. Mas apenas ontem o presidente expôs publicamente o "diagnóstico".

Os EUA mantêm quase cem mil soldados em uma guerra que já dura nove anos, provocou a morte de 1.436 militares e custou US$ 299,6 bilhões. A decisão de Obama de manter o rumo se deve aos custos humanos e financeiros. A bancada democrata no Congresso já avisou que não votará por verbas adicionais para as operações militares.

Dos 47 países que formaram a coalizão de combate ao Taleban e à Al-Qaeda, a Holanda iniciou sua retirada em julho. Canadá e EUA começam a sair em 2011. A Polônia fará o mesmo em 2012 e a Inglaterra avisou que não manterá soldados além de 2015. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaAfeganistãoguerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.