Otimistas, potências e Irã marcam nova reunião

Em Istambul, negociadores veem avanço em conversações sobre programa nuclear iraniano e combinam novo encontro em 23 de maio, no Iraque

ISTAMBUL, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2012 | 03h03

A primeira rodada de negociação entre o Irã e o grupo chamado P5+ 1 (EUA, França, Grã-Bretanha, Rússia, China e Alemanha) foi concluída ontem em Istambul na Turquia e considerada positiva por diplomatas iranianos e ocidentais. Uma nova reunião foi marcada para 23 de maio, em Bagdá.

"Vimos que houve progresso. Apesar das diferenças de opinião, concordamos em pontos importantes", disse o principal negociador nuclear iraniano, Said Jalili. "As próximas negociações devem ter como base medidas para a construção de confiança."

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, também se mostrou otimista após o encontro. "Queremos agora começar um processo contínuo de diálogo, movido pelo princípio do passo a passo", declarou. "Nos encontraremos em 23 de maio em Bagdá. O fato de termos fechado uma data e um local da reunião é positivo."

Segundo a diplomata europeia, os pilares da nova etapa de negociação serão o cumprimento por parte do Irã de seus compromissos como signatário do Tratado de Não Proliferação (TNP) de armas nucleares, um diálogo gradativo e recíproco e o reconhecimento do direito do Irã ter um programa nuclear com fins civis.

"Conversamos sobre o programa nuclear. Isso é novo. Antes era difícil", acrescentou Ashton. "Agora podemos incluir detalhes concretos. Minhas conversas com Jalili criaram as bases para um avanço."

O iraniano lembrou, no entanto, que entre as medidas para "construção de confiança" está a retirada das sanções impostas pela União Europeia à importação de petróleo do país. Jalili também disse que o Irã precisa ser capaz de enriquecer urânio a 20% para abastecer um reator de uso médico. As potências ocidentais temem que o domínio dessa tecnologia acelere a busca por uma arma atômica, para a qual é necessário ter urânio enriquecido a 90%. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.