Ouattara revela que massacres estão sendo investigados na Costa do Marfim

Massacres aconteceram em região controlada pelas forças leais a Ouattara

Efe,

13 de abril de 2011 | 14h06

ABIDJÃ - O presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, anunciou nesta quarta-feira, 13, que já é realizada uma investigação para esclarecer quais foram as circunstâncias dos massacres que ocorreram no oeste do país, denunciados por várias organizações não governamentais (ONGs) no início deste mês.

Veja também:

mais imagens Imagens dos conflitos na Costa do Marfim

especialInfográfico: Entenda a crise marfinense

Além disso, o presidente também pediu uma investigação internacional sobre os massacres, para isso uma missão da Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas viajará em breve a Abidjã.

A organização Caritas Internationalis afirma que no final de março mil pessoas foram assassinadas (ou desapareceram) na cidade de Duekoue, ao oeste da Costa do Marfim, região controlada pelas forças leais a Ouattara.

Ouattara assinalou que vai pedir ao procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) uma investigação sobre os casos de violações graves dos direitos humanos.

"Queremos que tudo seja esclarecido. Condenar um ato não é suficiente, mas queremos que as pessoas responsáveis pelos massacres, sejam quem forem, sejam julgadas e condenadas conforme a lei nacional e segundo as normas internacionais", insistiu Ouattara.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do Marfim, Ouattara, ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.