Outra nigeriana é condenada à morte por adultério

Uma corte muçulmana de apelação absolveu ontem a primeira mulher nigeriana condenada à morte a pedradas por fazer sexo fora do casamento, afirmando não haver provas suficientes para justificar esta severa punição das leis islâmicas. Enquanto isso, outra mulher foi sentenciada à morte a pedradas também por adultério e por ter abandonado, segundo o governo, a sharia, ou lei islâmica. Na última sexta-feira, uma corte em Bakori, no estado de Katsina, condenou Amin Lawal Kurami a ser executada por ter dado a luz a uma menina nove meses após ter se divorciado de seu marido. Ela tem 30 dias para apelar da decisão. O homem que Kurami identificou como seu parceiro sexual, Yahaya Mohammed, foi absolvido por falta de provas após ter negado qualquer impropriedade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.