Outro suposto filho de Lugo aparece e escândalo abre crise política

Após terceira mulher afirmar ter concebido filho com presidente paraguaio, oposição reage e até o vice se distancia

Lourival Sant?Anna, O Estadao de S.Paulo

23 de abril de 2009 | 00h00

A situação do presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, complicou-se ontem, com o aparecimento de mais um filho atribuído a ele - o terceiro em duas semanas - e a versão da existência de uma lista de seis outras mulheres que ainda vão reivindicar a paternidade dele sobre suas crianças. À medida que os escândalos de paternidade em série se alastram, a oposição prepara uma ação criminal por "estupro" contra o presidente, e seu vice, o liberal Federico Franco, ameaça romper com ele.Damiana Morán, de 39 anos, militante de esquerda como Lugo, afirmou ontem ter um filho de 1 ano e 4 meses com o presidente. Ao contrário das outras duas mães, no entanto, ela disse que não entraria com ação de reconhecimento da paternidade nem exigiria pensão alimentícia. "Não preciso de ajuda", disse Damiana, dona de uma creche.Segundo ela, Lugo não sabia, até segunda-feira, quando ela o procurou, que era pai de seu filho. Ela diz que decidiu divulgar o fato "em nome da verdade", depois do surgimento de outros casos, e de ter tido conhecimento da lista de seis outras mulheres que reivindicariam o reconhecimento da paternidade de seus filhos por Lugo. A lista não incluiria Damiana nem as outras duas mulheres que já afirmaram ter tido filhos com o presidente. Segundo Damiana, o advogado de Lugo, Marcos Fariña, disse-lhe que o presidente reconheceria a paternidade de seu filho.Lugo, de 57 anos, foi bispo de San Pedro até janeiro de 2005, quando o Vaticano aceitou sua renúncia. Mas continuou como sacerdote até dezembro de 2007, quando deixou a batina para se lançar à presidência.A camelô Benigna Leguizamón, de 27 anos, entrou ontem com ação de reconhecimento de paternidade contra Lugo na Vara da Infância e da Adolescência de Ciudad del Este. Benigna reuniu-se na terça-feira em Assunção com Fariña, que lhe propôs fazer os exames de DNA "em privado". Ela recusou, temendo "manipulação" dos resultados. Seu advogado, Seong Je-park, pediu a realização de dois testes, um no Paraguai e outro no Brasil, para confrontar os resultados. O filho de Benigna tem 6 anos. Ela diz que o relacionamento com o então bispo de San Pedro começou em maio de 2001, quando tinha 18 anos, e foi pedir ajuda à Igreja. Benigna já era mãe solteira e não tinha assistência do pai de seu primeiro filho. Acabou tendo outro com Lugo, que lhe dava, segundo ela, 50 mil guaranis (cerca de US$ 10) por semana, até terminar o relacionamento, em outubro de 2003. De lá para cá, não recebeu mais nada, afirma Benigna na ação. Ela diz que o filho telefonou uma vez ao pai para pedir-lhe uma bicicleta. Lugo prometeu o presente, mas não cumpriu.Benigna afirma que se sentiu encorajada a denunciar Lugo depois que ele reconheceu, no dia 13, a paternidade de outro menino, que tem quase 2 anos. A mãe da criança, Viviana Carrillo, de 26 anos, disse que o relacionamento com Lugo começou quando ela tinha 16 anos, e o bispo frequentava a casa de sua madrinha. O jornal Última Hora disse ontem que Viviana e o filho passaram a ocupar uma casa de Lugo em Assunção. A senadora Lilian Samaniego, líder do Partido Colorado, de oposição, entrou com ação contra Lugo para investigar se o caso se enquadra na lei que considera "estupro" a sedução de meninas de até 16 anos. Simpatizantes de Lugo, incluindo a própria Damiana, consideram as duas primeiras denúncias parte de uma "conspiração" contra o presidente. Na segunda-feira, durante a celebração do primeiro aniversário do governo, simpatizantes do vice Franco gritavam "presidente" para ele. O vice não foi convidado a subir no palanque. Na véspera, sem consultar Franco, Lugo substituiu três ministros liberais aliados ao vice. Franco, cujo partido de centro-direita se uniu a Lugo na eleição do ano passado, pondo fim a uma hegemonia de 61 anos do Partido Colorado, considerou que, com o gesto, o presidente o está "empurrando para a oposição".AS MÃESDamiana Hortensia Moran Amarrilla - Militou na esquerda ao lado de Lugo e atualmente é proprietária de uma creche. Divorciada e com dois filhos do primeiro casamento, ela afirma ter tido um menino com o presidente há um ano e quatro meses. Damiana, porém, não pede pensão e condena uso do caso pela oposiçãoBenigna Leguizamón - Camelô, de 27 anos, diz que Lugo é o pai de seu filho de 6 anos, Lucas Fernando. Segundo ela, o relacionamento com o bispo começou em maio de 2001, quando tinha 18 anos e foi à Igreja pedir assistência. Na época, Benigna já era mãe solteira. O relacionamento com Lugo teria durado até outubro de 2003Viviana Carillo - O presidente assumiu há duas semanas a paternidade de um filho de 2 anos que teve com Viviana. Ela disse que foi seduzida por Lugo aos 16 anos, na época em que se preparava para a crisma. O presidente era então bispo de San Pedro, no interior do Paraguai. O relacionamento teria começado na casa da madrinha dela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.