Oviedistas protestam e querem a renúncia de González Macchi

Hermes "Rambo" Saguier, líder da organização Frente Patriótica, vinculada ao ex-general Lino Oviedo, anunciou hoje que os cerca de 5 mil manifestantes que estão desde sábado em Assunção permanecerão na capital paraguaia até conseguirem a renúncia do presidente Luis González Macchi. Hoje à noite, o grupo realizará, na praça localizada diante do Congresso, uma nova manifestação que coincidirá com outra - programada para o mesma horário (19h locais), a poucos quarteirões de distância - da Central Nacional de Trabalhadores (CNT), uma das mais importantes organizações sindicais do país.Falando à rádio Ñandutí, Saguier disse que o governo de González Macchi é ?ilegítimo e corrupto", e criticou a embaixada dos EUA em Assunção, à qual atribuiu apoio a González Macchi, acrescentando que considera incompreensível tal apoio a um governo visivelmente vinculado à corrupção. Por sua vez, o líder da CNT, Eduardo Ojeda, indicou que o governo "está submetido aos desígnios do Fundo Monetário Internacional (FMI) e perdeu o controle da situação no país".As duas manifestações de hoje se somam às demais que diariamente realizam médicos, professores e outros setores do funcionalismo público. O Paraguai atravessa uma grave crise econômica e social, com dificuldades no campo e nas cidades; até os funcionários públicos sofrem atrasos em seus salários devido ao déficit fiscal enfrentado pelo governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.