Oviedo promete se entregar à Justiça no Paraguai

O ex-general paraguaio Lino Oviedo, que vive asilado no Brasil, disse que voltará a seu país para enfrentar os tribunais. Oviedo é acusado, no Paraguai, de assassinato e de tentar um golpe de Estado. ?Só sou candidato à cadeia?, disse o ex-militar, que já quis a presidência do Paraguai. Oviedo é acusado de planejar o golpe fracassado de 1996 contra o então presidente Juan Carlos Wasmosy. Ele também foi implicado na morte, em 1999, do vice-presidente Luis Maria Argaña. Oviedo fugiu para a Argentina em 1999 e, depois, refugiou-se no Brasil. Mais recentemente, a Suprema Corte do Paraguai vem dando a entender que as acusações contra Oviedo poderão ser abandonadas. O ex-general diz que líderes do partido político que o apóia no Paraguai, a União Nacional pela Cidadania Ética, irão se reunir para definir a data exata do retorno de seu líder ao país. ?Então, vou me apresentar aos tribunais?, diz Oviedo. ?Não terei escolha... só peço que meus direitos sejam respeitados?. O ex-general nunca conseguiu formalizar sua candidatura à presidência do Paraguai, por conta das acusações de golpismo e de assassinato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.