Ovo substitui arroz no casamento de filha de Cavallo

A Argentina mudou - por uma noite, de forma excepcional - a tradição do mundo ocidental de jogar arroz na noiva recém-casada, substituindo o cereal asiático por ovos de galináceos. Isto ocorreu na noite de sábado quando Sonia Cavallo, filha do ministro da Economia, Domingo Cavallo, casou-se com toda a pompa com o jovem economista norte-americano Daniel Fitzgerald Rundee, que conheceu em Harvard, e é vizinho nos EUA do ex-presidente Bill Clinton. Centenas de manifestantes, entre desempregados e sindicalistas, escolheram como alvo o véu da noiva, embora os principais projéteis fossem lançados em direção de seu pai, o impopular ministro. "É um absurdo que façam uma festa como essa na frente de pessoas que não têm trabalho e que passam fome", diziam os irritados manifestantes, que transformaram os arredores da igreja em um campo de batalha. A atribulada cerimônia ocorreu na Igreja del Pilar, no aristocrático bairro da Recoleta, onde nos últimos três recessivos anos começaram a conviver la crème de la crème social da cidade com dezenas de sem-teto, que sobrevivem com as sobras que a classe alta deixa no lixo. No meio de uma forte pancadaria e empurra-empurra entre os manifestantes e policiais, a filha de Cavallo teve que entrar na igreja com proteção das forças de segurança, além dos guarda-costas pessoais do ministro. Durante a cerimônia, os manifestantes furaram os pneus do Alfa Romeo de Cavallo. Menos de uma hora depois, quando a noiva teve que sair, encontrou-se com uma chuva de ovos e um número de manifestantes que havia crescido com a divulgação da notícia de que ali estava Cavallo. O ministro estava avisado do protesto desde a véspera, mas não quis mudar a data nem o lugar do casamento de sua filha. A saída encontrada por Cavallo, sua esposa Sonia, sua filha do mesmo nome, além do noivo, para driblar os manifestantes foi camuflar-se com uma capa negra, e sair por uma porta lateral que liga a igreja com o cemitério da Recoleta. No meio da noite, atravessaram o escuro cemitério e, como em um filme surrealista - com o ministro de fraque -, passaram correndo ao lado do túmulo de Evita Perón e dos heróis militares da independência do país. Finalmente, por uma porta traseira, os Cavallo e Rundee chegaram aos automóveis que os levaram à festa de casamento no Hotel Alvear, a duas quadras dali. Os confrontos entre a polícia e os manifestantes aumentaram quando o presidente Fernando de la Rúa chegou à festa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.