Nick Ansell/PA via AP
Nick Ansell/PA via AP

Oxfam enfrenta novas acusações de conduta sexual inapropriada no Haiti

Relatório publicado na imprensa britânica revela que um gerente da ONG permaneceu no cargo por mais de 6 meses, apesar das queixas contra ele

Agence France-Presse

17 Março 2018 | 02h24

LONDRES - A instituição de caridade Oxfam enfrenta novas acusações de comportamento sexual inadequado de seus funcionários no Haiti, após a publicação neste sábado, 17, de um relatório na imprensa britânica sobre o caso de um gerente que permaneceu no cargo, apesar das queixas contra ele.

A ONG britânica tentou "conter" as acusações de assédio sexual que afetaram Raphael Mutiku, que dirigiu a distribuição de água após o terremoto de 2010, de acordo com um relatório interno que o jornal The Times teve acesso.

+++ Segundo relatório da ONG Oxfam, suspeitos de escândalo sexual no Haiti ameaçaram testemunhas

O documento indica que a organização emitiu uma advertência final para Mutiku, um funcionário queniano de aproximadamente 40 anos, em junho de 2010, após acusações de assédio sexual feitas por alguns colegas.

No entanto, seis meses depois das acusações de que o engenheiro pagou por sexo com mulheres em sua residência, fornecida pela Oxfam, seu superior na sede da organização no Reino Unido teria dito que esperava que a ONG "contivesse isso" e que parecia que Mutiku "não estava sendo discreto".

+++ Após escândalo no Haiti, ONG Oxfam enfrenta denúncias de assédio sexual no Sudão do Sul

Oxfam confirmou que a decisão de não demitir Mutiku foi tomada por Roland van Hauwermeiren, então diretor da ONG no país, que recentemente foi apontado como o epicentro do escândalo sexual que afetou a organização.

O Times disse que Mutiku havia negado "veementemente" o pagamento de prostitutas.

O funcionário foi demitido em 2011 após uma investigação interna.

"O comportamento de alguns dos ex-funcionários da Oxfam que trabalharam no Haiti após o terremoto de 2010 era completamente inaceitável", disse uma porta-voz da Oxfam em um comunicado.

"Lamentamos por tudo o que aconteceu", disse ela. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.