Oxford aprova união de homossexuais

Acompanhando os novos tempos, a tradicional Oxford Union Society, parte da ainda mais tradicional e conceituada das universidades inglesas, dará a membros que são parceiros homossexuais os mesmos direitos de casais heterossexuais, anunciou hoje sua presidente. A mudança das regras significará que se um membro gay ou lésbico da união formar uma parceria civil, seu parceiro também será aceito como membro na venerável sociedade de debates, segundo Georgina Costa. A medida terá efeito quando a Lei das Parcerias Civis entrar em vigor, provavelmente no próximo ano. Até agora, apenas parceiros heterossexuais dos membros eram aceitos. A Lei, que deve receber o assentimento da rainha Elizabeth II ? apenas um formalidade ? no final do ano, garantirá a gays e lésbicas que celebrarem um acordo de parceria civil pensões e outros direitos atualmente reservados apenas a heterossexuais casados. Segundo Georgina, a mudança foi aceita sem questionamentos, na semana passada, pelo seu comitê. ?Fico feliz por não ter havido oposição?, ela disse. A Union é uma das mais avançada sociedades de debates do mundo, com uma merecida reputação por levar convidados e conferencistas internacionais, escolhidos entre os respeitados nomes da cultura e da ciência, a Oxford. Foi estabelecida a 172 anos, visando a promover debates e discussões não apenas no âmbito da Universidade de Oxford, mas através do mundo. Desde sua fundação, em 1832, a Oxford Union tornou-se o único lugar de encontro na cidade dos cerca de 10.000 estudantes e permanece o foco social do fragmentado sistema de faculdades da universidade. O objetivo da Union é também oferecer mais conforto aos universitários, mantendo um restaurante, três bares, um clube de snooker, uma imensa biblioteca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.