'Paciência com Pyongyang está acabando', diz Coréia do Sul

Em encontro com Condoleezza Rice nos EUA, ministro sul-coreano adverte programa nuclear norte-coreano

Efe,

26 de março de 2008 | 17h32

A secretária de Estado, Condoleezza Rice, e o ministro das Relações Exteriores sul-coreano, Yu Myung Hwan, advertiram a Coréia do Norte nesta quarta-feira, 26, de que a paciência internacional está se esgotando e Pyongyang deve cumprir a promessa de interromper seu programa nuclear. Condoleezza e Yu se reuniram nesta quarta-feira no Departamento de Estado americano, em Washington, para debater o programa nuclear norte-coreano e outras questões.   Segundo o acordo firmado em 2007, Pyongyang se comprometia a inutilizar seu reator nuclear em Yongbyon e a fornecer uma lista completa de suas atividades atômicas. O prazo para entregar essa lista, porém, terminou no final do ano passado, sem que o regime norte-coreano tivesse cumprido a promessa.   O ministro sul-coreano declarou que "o tempo e a paciência estão se esgotando, portanto espero que a Coréia do Norte apresente a declaração tão breve quanto possível, para não perder um tempo precioso".   O descumprimento por parte da Coréia do Norte causou a estagnação das conversas de seis lados, das quais participam as duas Coréias, Estados Unidos, Rússia, Japão e China, para oferecer incentivos diplomáticos e econômicos a Pyongyang em troca de que renuncie a seu programa de armamento nuclear.   A secretária de Estado americana afirmou que "já é hora de haver um movimento na lista, para que possamos avançar à próxima fase", onde estaria o fim do programa nuclear. "Essa é a única forma de alcançarmos a visão de uma península coreana completamente pacífica e sem armas nucleares", acrescentou Condoleezza.   Durante o encontro, Condoleezza e Yu debateram ainda o tratado de livre-comércio assinado por ambos os países e pendente de aprovação no Congresso americano. A luta contra o terrorismo, a mudança climática e a inclusão da Coréia do Sul no programa americano de isenção de vistos completaram o leque de assuntos abordados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.