Pacifista israelense é investigado por visitar Arafat

Um destacado pacifista de Israelinsistiu hoje em ter o direito de se encontrar com YaserArafat no quartel-general do líder palestino em Ramallah, naCisjordânia, uma cidade proibida para os civis israelenses.O ativista Uri Avnery disse não ter pedido permissão àsautoridades israelenses, como a lei exige, quando foi paraRamallah no sábado. "Não preciso de permissão para promover apaz", declarou Avnery, um dos primeiros israelenses a se encontrar abertamente com Arafat mais de duas décadas atrás.A polícia, contudo, está investigando a visita do ativista de80 anos para um possível indiciamento, revelou o porta-voz dapolícia Gil Kleiman.Entrar ilegalmente em uma zona restrita como Ramallah é umacontravenção, e como Avnery infringiu pela segunda vez a lei,ele pode ser sentenciado a dois anos de prisão se condenado,disse Kleiman. Israelenses são proibidos de visitar áreas sob ocomando palestino, onde geralmente homens armados atacam carrosde israelenses que se aventuram pelos locais.Avnery encontrou-se com Arafat em 1982, quando o líderpalestino estava sob a mira de Israel em Beirute, no Líbano. Arafatretornou aos territórios palestinos em 1984, mas Israel tem tentado marginalizá-lo nos últimos anos, acusando-o de ser um obstáculoà paz e responsabilizando-o indiretamente por ataquesterroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.