Moises Saman/The New York Times
Moises Saman/The New York Times

Pacto na ONU desbloqueia fortuna líbia

África do Sul cede e US$ 1,5 bi de Kadafi que estava congelado passará às mãos dos rebeldes

Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA e Gustavo Chacra CORRESPONDENTE / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2011 | 00h00

As Nações Unidas vão descongelar US$ 1,5 bilhão em fundos da Líbia para ser usado em ajuda humanitária e outras necessidades de civis líbios. A decisão foi anunciada depois de um acordo entre os EUA e a África do Sul, que ainda relutava em aprovar o desbloqueio.

Caso os sul-africanos não recuassem, o Conselho de Segurança da ONU precisaria votar uma nova resolução liberando os fundos, congelados pelo próprio órgão das Nações Unidas como forma de pressão sobre Muamar Kadafi. Agora, o dinheiro será destinado para o Conselho Nacional de Transição (CNT).

O objetivo é que o dinheiro chegue aos rebeldes em até seis dias. O valor é o dobro do que havia solicitado o conselho rebelde no início da semana. O objetivo inicial seria pagar salários atrasados de funcionários públicos.

Os rebeldes estimam que Kadafi tenha cerca de US$ 160 bilhões espalhados por contas ao redor do mundo. A ONU, porém, só teria conseguido bloquear US$ 1, 5 bilhão, que o conselho rebelde agora contesta. "Precisamos desse dinheiro para trazer estabilidade para a Líbia", disse o porta-voz do CNT Aref al-Nayed. Segundo ele, o grupo encontrará "sérios problemas" se não contar com o dinheiro.

"O maior elemento de desestabilização seria o fracasso do CNT em garantir os serviços necessários e pagar os salários às pessoas que não têm sido pagas há meses", disse ontem em Milão o líder da oposição líbia, Mohamed Jibril. "O governo não pode implementar suas prioridades sem esse dinheiro", argumentou Jibril.

A África do Sul estava relutante em autorizar o descongelamento porque o governo diz condenar "a doutrina de mudança de regime" - o uso da força para derrubar ditadores. Vários governos haviam congelado bens de Kadafi, mas aguardavam definição da ONU para liberar o dinheiro. Na Grã-Bretanha, US$ 900 milhões estão bloqueados; na Suíça, US$ 800 milhões.

RECURSOS

Fortuna espalhada

Rebeldes líbios estimam que Kadafi tenha US$ 160 bilhões investidos em vários países.

Entre os bens estão ações de empresas e até uma participação no clube italiano Juventus

Resolução da ONU

A resolução 1970 impôs sanções econômicas ao regime de Kadafi que bloquearam os recursos do ditador nesses países

Pressão pró-CNT

Com apoio dos EUA e de países europeus, os rebeldes receberão US$ 1,5 bilhão, que não será

usado para fins militares

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.