Padre admite ter cometido abuso sexual

Um padre católico romano de 63 anos, sob custódia por suspeita de ter abusado sexualmente de crianças, reconheceu alguns de seus crimes, disseram as autoridades judiciárias nesta segunda-feira.Alois Fritschi é suspeito de ter abusado sexualmente de diversos meninos ao longo de vários anos, afirmou Thomas Weltert, promotor estatal para o cantão (Estado) de St. Gallen.Os crimes aconteceram supostamente quando Fritschi estava trabalhando como padre na cidade de Uznach. Fritschi mudou-se de Uznach para Wallenstadt, nas proximidades. Ele leu uma carta do bispo da diocese de St. Gallen, Ivo Fuerer, que disse ter aceito a renúncia do padre, que tem efeito imediato.Weltert disse que a investigação começou em janeiro. A polícia fez uma busca na casa de Fritschi no dia 12 de março, e ele foi preso dois dias depois. Desde então ele admitiu alguns dos crimes.Estados UnidosUm homem que processou, por abuso sexual, o vice-chanceler de uma antiga arquidiocese de Boston, afirma agora que também sofreu abuso sexual do falecido cardeal Humberto Medeiros, diz seu advogado.O advogado Daniel J. Shea afirmou ontem que pensa em acrescentar no processo judicial as alegações contra Medeiros, cujo nome é citado no processo, mas não é acusado de abuso. Medeiros, nascido em Portugal, foi bispo nas ilhas de Açores antes de ser transferido para Boston.Garry M. Garland, de 38 anos, natural de Hanover, no Estado de Massachusetts (EUA), não fez antes as acusações contra o cardeal católico romano, morto em 1983, porque estava muito envergonhado disse o advogado Shea.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.