Padre admite ter ficado nu em sauna com ex-deputado americano

Um padre católico admitiu nesta quinta-feira, 19, ter entrado nu em saunas na companhia do ex-deputado americano Mark Foley na década de 1960, mas negou ter mantido relações sexuais impróprias com o ex-congressista.Numa conversa por telefone com a Associated Press, o reverendo Anthony Mercieca qualificou como "exagerada" uma reportagem do jornal Sarasota Herald-Tribune, do Estado americano da Flórida, sobre seu relacionamento com Foley.De acordo com ele, o jornal americano "escreveu muitas coisas que não disse". Mercieca, de 72 anos, mora atualmente em Gozo, uma ilha do arquipélago de Malta. "O jornal me cita dizendo ter mantido encontros romanticos efêmeros com ele. Isso não é verdade", disse Mercieca, cuja voz trêmula parecia fraca em alguns momentos."Nós éramos amigos e confiávamos um no outro como irmãos, nos amávamos como irmãos", assegurou. Questionado sobre a natureza do relacionamento, ele assegurou que não se tratava de um romance homossexual.Ele contou que freqüentou saunas acompanhado de Foley na época em que foi padre na Flórida e disse que os dois entravam nus. "Todo mundo faz isso", afirmou. Na época, Foley ainda era menor de idade.Foley renunciou a seu cargo no Congresso americano no mês passado, quando vieram à tona mensagens de correio eletrônico enviadas por ele a rapazes menores de idade que trabalhavam como estagiários.O advogado de Foley disse então que o ex-congressista é alcoólatra, homossexual e sofreu abusos sexuais quando era criança. Segundo Gerald Richman, seu advogado, o abuso sexual foi cometido por um padre católico. Entretanto, ele não revelou a identidade do religioso.Mercieca comentou na conversa com a AP que sofreu um colapso nervoso na época. "Eu tomava tranqüilizantes, e os misturava com álcool. Talvez eu tenha feito algo que ele não gostou", comentou.Ele disse ter "concluído" que algo tenha acontecido pelo que viu sobre o caso na televisão. Pressionado a fornecer detalhes, ele alega não se lembrar. "Isso aconteceu há muito tempo."Segundo ele, Foley interpretou erroneamente algumas coisas. "Não sei o que fiz a ele, mas me questiono sobre o motivo de isso ter vindo à tona depois de 40 anos. Não acho que exista alguma conexão entre nossa amizade e isso que está acontecendo agora", prosseguiu.Ele disse ter visto Foley pela última vez há 18 anos, quando os dois jantaram juntos em um restaurante em Lake Worth, na Flórida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.