Padre é condenado a 15 anos de prisão por genocídio

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR), situado em Arusha, Tanzânia, condenou, nesta quarta-feira, o padre ruandês Athanase Seromba a 15 anos de prisão. Seromba foi considerado culpado por genocídio e crimes contra a humanidade, informou o porta-voz da corte, Bocar Sy.Seromba é o primeiro padre da Igreja Católica condenado por genocídio em uma corte internacional. Entre 500 mil e um milhão de tutsis e hutus moderados, segundo diferentes fontes, foram mortos por milícias extremistas, soldados e a própria população civil durante o genocídio ruandês. Muitos deles morreram em igrejas nas quais tinham procurado refúgio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.