Padre é condenado nos EUA por abusar de coroinha

Um padre suspeito de ter tido comportamento sexual inadequado com vários menores, há 30 anos, foi condenado hoje por uma corte de Flemington, New Jersey, por molestar um coroinha. John Banko foi o primeiro padre de New Jersey a ser acusado criminalmente em um caso de abuso sexual, desde que a Igreja Católica americana se viu envolvida em um escândalo em escala nacional, neste ano. Depois de menos de dois dias de deliberações, um corpo de jurados condenou Banko por violação sexual grave, violação sexual e por colocar crianças em perigo. O abuso sexual específico contra um menino, agora com 20 anos, ocorreu no centro comunitário da igreja de St. Edwards, em Milford. Banko, hoje com 56 anos, pode pegar até 35 anos de prisão. A proclamação de sua sentença foi marcada para 7 de fevereiro. Ele não esboçou reação quando o veredito foi lido. Na segunda-feira, negou as acusações. Mas, durante as acareações, reconheceu ter mantido contatos sexuais com homens e mulheres. Em um caso separado, o reverendo Paul Shanley, de 71 anos, foi libertado hoje na Califórnia depois de pagar uma fiança de US$ 300 mil após ter ficado sete meses na prisão. A quantia foi paga por um grupo de amigos do religioso, cujas identidades não foram reveladas. Shanley é acusado, em Massachusetts, de cometer abusos sexuais entre 1979 e 1989.

Agencia Estado,

11 Dezembro 2002 | 19h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.