Padre inglês causa polêmica ao defender furtos

O padre Tim Jones, da Igreja Anglicana, está dando um conselho pouco comum no fim do ano: não há problema em cometer furtos, sob certas condições. O reverendo inglês foi criticado hoje por colegas e donos de lojas. Em seu sermão de domingo, ele disse que em algumas situações é aceitável que pessoas desesperadas roubem produtos de grandes cadeias de lojas. Para ele, o furto pode ser justificado, desde que a pessoa esteja de fato passando por necessidade e não seja gananciosa.

AE-AP, Agencia Estado

22 de dezembro de 2009 | 18h37

As declarações causaram uma série de protestos. O diácono primeiro de York, Richard Seed, disse, em comunicado divulgado em seu site, que a igreja rejeita a visão de que o furto pode ser considerado aceitável. "A Igreja Anglicana não recomenda a ninguém que furte, nem infrinja a lei de maneira nenhuma", afirmou Seed. "E a última coisa que uma pessoa desesperada precisa é ser pega por furto, então acreditamos que esse conselho é bem pouco inteligente."

Jones disse hoje que ele mantém suas declarações. Ele contou que a única coisa de que se arrepende é que as pessoas prestaram mais atenção em seus comentários sobre o furto e não no resto da argumentação. "O que estou contra é a forma como a sociedade se torna cada vez mais acomodada com as pessoas no fundo do poço e cegas a suas necessidades." Segundo o padre, os furtos podem ajudar pessoas com os benefícios de assistência social do governo em atraso, por exemplo.

Tudo o que sabemos sobre:
Grã-Bretanhapadrefurtopolêmica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.