Padre reconhece relações inapropriadas com ex-deputado republicano, diz jornal

Um padre católico romano disse ter mantido uma relação inapropriada durante dois anos com o ex-deputado republicano Mark Foley nos anos 1960, que incluía massagear o garoto nú, mas ele não se lembra especificamente de ter feito sexo, segundo reportagem de um jornal local nesta quinta-feira.O reverendo Anthony Mercieca, de 72 anos, descreveu diversos encontros que Foley podem ser considerado como sexualmente inapropriados, segundo o jornal Sarasota Herald-Tribune. Os encontros incluíam massagear Foley enquanto o garoto estava nu; juntos, nadavam pelados em um lago e ficavam nús no mesmo quarto em viagens.Mercieca disse que houve uma noite em que ele estava em "estupor induzido pela droga", e ocorreu um incidente que ele não conseguia se lembrar claramente, segundo o jornal. "Tenho que confessar, estava passando por um colapso nervoso", teria dito Mercieca ao jornal, por telefone, de sua casa na ilha de Gozo, sul da Sicília. "Eu estava tomando pílulas, tranqüilizantes. Eu costumava tomar todas ao mesmo tempo. Elas afetaram um pouco a minha mente". Mercieca não pôde ser localizado imediatamente para comentar nesta quinta-feira à Associated Press. Foley renunciou ao Congresso no mês passado após revelações de que ele mantinha troca de mensagens eletrônicas com conteúdo sexual, com adolescentes que trabalhavam como mensageiros da Casa. O escândalo ameaça acabar com as chances do partido Republicano manter o controle do Congresso após as eleições legislativas de sete de novembro.O advogado de Foley afirmou logo após sua renúncia que o ex-deputado era alcoólatra, homossexual, e havia sido molestado quando garoto por um "clérigo". O advogado, Gerald Richman, disse que o suposto abusador era uma padre católico cujo nome seria revelado aos promotores na quarta-feira. Richman não retornou a mensagem telefônica deixada nesta quinta-feira pela AP. Outro advogado de Foley se recusou a comentar o caso. No início do mês, um de seus advogados afirmou que "Mark não culpa seu trauma adolescente por suas mensagens instantâneas totalmente inapropriadas. Ele continua a não oferecer desculpas por sua conduta". O padre trabalhou na igreja católica do sagrado Coração em Lake Worth em 1967, de acordo com registros da igreja. Foley teria 13 anos na época. Mercieca disse que ele e Foley se tornaram amigos rapidamente quando ele se mudou para a cidade americana após morar no Brasil, e eles "se amavam um ao outro como irmãos", segundo o jornal. Mercieca disse ter ensinado ao Foley "algumas coisas erradas" relacionads a sexo, mas ele não especificou o que quis dizer com isso, afirma o jornal.A matéria relata que o padre disse na época, que ele considerava a relação inocente, mas agora diz que ele poderia ver como suas ações poderiam ser consideradas inapropriadas. O padre disse ainda que, apesar dos planos de Foley de o "expor ao mundo", ele ainda tem "ótimas lembranças de nossas viagens", relata o jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.