Pai de brasileiro morto no Iraque pede ajuda ao governo goiano

O pai do fuzileiro Felipe Carvalho Barbosa, morto no Iraque no último sábado, pediu nesta segunda-feira o apoio do governo de Goiás para prestar as últimas homenagens ao filho, que servia a marinha americana.Robson de Lima Barbosa se reuniu com o chefe da Assessoria para Assuntos Internacionais de Goiás, Elie Chidiac, em busca de ajuda. Segundo Elie, o governo de Goiás não poderia bancar a passagem do pai de Felipe já que o rapaz não estava a serviço do governo brasileiro nem goiano nos Estados Unidos.A Assessoria Internacional, que está intermediando as negociações entre a família e o governo americano, informou que as opções de Robson seriam convencer a esposa americana e a mãe de Felipe a enterrar o corpo do filho no Brasil ou viabilizar a ida de Robson aos Estados Unidos. Dentro desta última alternativa, a passagem poderia ser paga pela própria família do brasileiro ou pelo governo americano, já que Felipe morreu a serviço de Washington. Robson buscou ajuda do governo goiano porque, apesar de carioca, mora em Goiás desde 1998. Felipe Carvalho Barbosa, de 21 anos, foi morto no sábado, em Bagdá, quando lutava pelo Exército dos Estados Unidos. Ele morava há cerca de dez anos na cidade de High Point, no Estado da Carolina do Norte, e era atirador de elite da Marinha americana.A família de Felipe soube da notícia através da mulher do fuzileiro, que mora nos Estados Unidos. Segundo ela, Felipe voltaria para os EUA em abril e havia programado para junho uma visita à família, no Brasil.O governo brasileiroO Itamaraty acredita que a responsabilidade por dar assistência à família do brasileiro Felipe Carvalho Barbosa é do governo americano, já que ele lutava pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos e era naturalizado americano quando foi morto no Iraque.Mesmo assim, o governo brasileiro irá prestar assistência à família de Felipe Carvalho Barbosa. Segundo o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, o governo irá entrar em contato com a Casa Branca para que a família do carioca possa ir até os Estados Unidos. O contato com Washington seria feito nos próximos dias para facilitar a viagem dos familiares que vivem no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.