Reprodução / Facebook
Reprodução / Facebook

Pai de estudante brasileira morta na Nicarágua diz que família acompanha o caso pelas redes sociais

Segundo Ridevando Pereira, a jovem era uma estudante dedicada e não tinha interesse nas questões políticas do país; ela se formaria em fevereiro de 2019

Lorena Lara, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2018 | 17h39

O pai de Raynéia Gabrielle Lima, estudante morta na Nicarágua na noite da segunda-feira 23, disse que a família está recebendo as informações sobre o caso da filha pelas redes sociais e pela imprensa. Ao Estado, Ridevando Pereira contou que ainda há poucas informações sobre as circunstâncias da morte de Raynéia.

Segundo ele, a menina estava perto de se formar como médica na Universidade Americana de Manágua (UAM) e atuava no hospital da Universidade. Ridevando acrescentou que a filha era dedicada aos estudos e não tinha interesse nas questões políticas do país. 

"Ela foi para lá só com o intuito de estudar, era muito estudiosa", afirmou, acrescentando que Raynéia não pensava em voltar para o Brasil antes de se formar, mesmo com a crescente violência e protestos contra o governo de Daniel Ortega no país. "Como ela era estrangeira, ela não opinava em nada", disse Ridevando.

Raynéia morava em Manágua há cinco anos, sozinha, e não tinha parentes no país. Natural de Pernambuco, ela era filha única por parte de mãe, mas tinha três meias-irmãs e um meio-irmão por parte de pai. Segundo Ridevando, a jovem tinha o costume de conversar com a mãe sobre sua rotina na Nicarágua. 

Em um post no Facebook, Raynéia falou de seu amor pelos pais. "É doloroso já não contar com a presença de vocês aqui pertinho", escreveu, acrescentando sentir saudades da família. "Obrigada por serem meus pais, meus amigos, meu apoio, meu tudo! Amo vocês incondicionalmente!"

A estudante planejava voltar para o Brasil quando se formasse, mas uma postagem do Facebook do dia 21 de junho mostra a possibilidade de antecipação do retorno. Na postagem, a jovem colocou seu cachorro de estimação para adoção. "Alfe, dois anos de idade, por motivo de viagem busca um novo lugar, muito brincalhão e carinhoso", escreveu. 

Na mesma rede social, Raynéia demonstrava seu amor pela natureza e prática do ioga, além de sua relação com a Nicarágua. Ela se descrevia como "nascida no Brasil, renascida na Nicarágua".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.