François Mori/AP
François Mori/AP

Pai de Greta Thunberg disse que 'não apoiava' o ativismo da filha

Em entrevista à BBC, Svante contou como a família inteira precisou mudar seus hábitos para adotar um estilo de vida menos poluente; ele também falou sobre o caso de depressão da filha

Redação, O Estado de S. Paulo

31 de dezembro de 2019 | 04h33

Os pais da ativista climática Greta Thunberg fizeram inúmeras mudanças em suas vidas para "salvar a filha, e não o mundo", conforme disse Svante Thunberg à BBC na última segunda-feira, 30. Ele também declarou que não apoiava o ativismo da jovem sueca.

Segundo Svante, a adolescente de 16 anos chegou a experimentar depressão por três ou quatro anos, antes de organizar as inúmeras greves em prol clima em sua escola. Ele também descreveu como a filha "adoeceu e parou de comer e conversar com outras pessoas durante todo esse tempo".

Para ajudá-la a se recuperar, ele e sua esposa - a cantora de ópera sueca Malena Ernman -, fizeram mudanças significativas em suas vidas para se tornarem mais amigos do meio ambiente. Svante se tornou vegano e Malena parou de utilizar aviões para se locomover, o que "mudou completamente a sua carreira", disse ele.

"Para ser sincero, ela não fez isso pelo clima. Mas sim, para salvar Greta, pois viu o quanto isso significava para ela", explicou. "Quando fizemos essas mudanças, sua energia pareceu aumentar e ela definitivamente amadureceu muito com isso". No entanto, ele admitiu que se preocupa que os 'haters' e os comentários negativos da internet, afetem a autoestima da adolescente.

Svante também acrescentou que, inicialmente, não apoiava o ativismo de sua filha. "Achávamos que era uma má ideia ver a nossa menina, se colocando na linha de frente de uma questão tão grande como a mudança climática", disse. "Você não gostaria disso como pai". Ele também comentou que não concordava com as crescentes ausências de Greta nas aulas, em nome das greves ambientais.

Os comentários de Svante foram dados à uma edição especial do programa BBC Radio 4 Today, editado pela própria Greta. Durante a produção do episódio, a emissora inglesa foi duramente criticada pelos ativistas climáticos, por ter levado seu apresentador para a Suécia de avião, sob a alegação de que "eles não tinham tempo para outros meios de transporte".

Além da adolescente, o programa também incluiu entrevistas com o chefe do Banco da Inglaterra, Mark Carney, que declarou que o setor financeiro está "respondendo muito lentamente à crise climática". Também participou do episódio o cineasta ambiental David Attenborough./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.