Pai de Litvinenko diz que Putin ordenou a morte de seu filho

Walter Litvinenko, pai do ex-espião russo Alexander Litvinenko, que morreu em 23 de novembro em Londres em conseqüência de radiação por polônio 210, afirma na edição deste sábado do jornal britânico The Independent que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou o assassinato de seu filho.Em sua primeira entrevista desde a morte do filho, Litvinenko, que trabalhou como médico nos campos de prisioneiros soviéticos, argumenta que apenas Putin tem a autoridade para determinar um assassinato em território estrangeiro."O cínico assassinato do meu filho foi um ato calculado de intimidação", afirma Litvinenko ao jornal. "Não tenho a menor dúvida de que foi assassinado pelo FSB (sucessor do soviético KGB) e de que a ordem partiu desse ex-espião do KGB, o presidente Putin. Ele é a única pessoa que pode dar essa ordem", acrescenta.Por outra parte, um ex-parceiro de Alexander Litvinenko assegurou nesta sábado, em um programa da BBC Radio 4 que seu colega pode ter sido envenenado porque tinha informação relevante sobre um alto funcionário do Kremlin.O também ex-agente Yuri Shvets disse que seu compatriota espionava para uma empresa britânica, que o havia encarregado de obter informação política e comercial sobre a Rússia antes de investir nesse país.Segundo Shvets, Litvinenko foi assassinado depois que um dossiêque tinha elaborado sobre uma destacada figura do Kremlin chegou àsmãos dessa pessoa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.