Pai de soldado israelense visita palestinos feridos

O pai do soldado israelense que permanece seqüestrado na Faixa de Gaza visitou nesta quinta-feira palestinos feridos no ataque israelense que matou 19 pessoas, informou a rádio pública israelense. Noam Shalit, pai de Gilad Shalit, visitou os palestinos internados no hospital Ijilov, em Tel-Aviv. As vítimas foram feridas na última semana durante um ataque israelense contra Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza. Gilad Shalit foi capturado em uma incursão de milicianos palestinos em território israelense na área de fronteira entre Israel e Faixa de Gaza, no dia 25 de junho. A ação resultou em uma intensa ofensiva israelense com o objetivo de recuperar o soldado e acabar com lançamento de foguetes por militantes palestinos contra cidades israelenses a partir de Gaza. Noan Shalit afirmou que queria expressar sua preocupação com os feridos na "terrível tragédia" e desejar a eles uma rápida recuperação. Além disso, ele disse que não estava preocupado com as críticas a sua visita, que acontece um dia após a morte de uma mulher na localidade israelense de Sderot por causa de foguetes lançados por milicianos palestinos a partir da Faixa de Gaza. "Claro que me identifico com a população de Sderot e sinto muito o que aconteceu", declarou. No entanto, ele afirmou que "a violência cria mais violência, e o ódio mais ódio. Portanto, as duas partes devem acabar com o derramamento de sangue e conseguir dialogar". Além disso, ele disse que os esforços do governo para libertar seu filho "estão longe do suficiente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.