Julien Muguet/Reuters
Julien Muguet/Reuters

Pai do assassino de Toulouse apresenta denúncia pela morte do filho

Mohamed Merah confessou ter matado sete pessoas e foi morto durante uma operação policial para capturá-lo

Efe,

11 de junho de 2012 | 14h27

PARIS - O pai de Mohamed Merah, o jovem que confessou ter matado sete pessoas em Toulouse e na vizinha Montauban, no sul da França, e que foi morto no último mês de março durante a operação para capturá-lo, apresentou nesta segunda-feira, 11, uma denúncia em Paris pelo que considera o "assassinato" de seu filho.

Veja também:

link No subúrbio, assassino de Toulouse é visto como 'um de nós'

link Atirador de Toulouse é enterrado 'às escondidas'

A advogada Isabelle Coutant-Peyre, que colabora com o advogado argelino do pai, afirmou hoje que o processo "contra X", que não especifica o suposto culpado, foi apresentado perante o Tribunal de Paris por "assassinato com circunstâncias agravantes".

Segundo Isabelle, a operação planejada para capturá-lo empregou entre 300 e 400 pessoas armadas contra apenas um indivíduo fechado em seu apartamento, um feito que por si só, afirmou, já levanta dúvidas.

A advogada ressaltou que "não havia nenhuma razão para matá-lo" e assegurou que possui provas para demonstrar que o jovem, de 23 anos, foi "liquidado" pelos agentes da tropa de elite da polícia francesa, o RAID.

Entre os elementos com os quais pretende defender sua tese perante a Justiça, Isabelle antecipou que há dois vídeos gravados pelo próprio Merah pouco antes de morrer e que foram enviados por meio de seu telefone celular.

Durante as 32 horas de cerco à sua casa de Toulouse, o jovem reivindicou seus massacres em nome da rede terrorista Al-Qaeda, mas assegurou que tinha atuado sozinho e que tinha em mente novos atentados, além dos cometidos entre os dias 11 e 19 de março.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.