AFP
AFP

Pai dos suspeitos marroquinos de atacar Barcelona está 'abalado'

O irmão de Moussa Oukabir, Driss, também foi detido na quinta-feira em Ripoll, a cerca de 100 quilômetros de Barcelona,

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2017 | 21h13

MELOUIYA, MARROCOS - O pai do marroquino Moussa Oukabir, morto junto a outros suspeitos pelos atentados cometidos nesta quinta-feira, 17, na Catalunha, declarou nesta sexta-feira, 18, que soube da morte do filho por meio da Polícia, o que o deixou "abalado".  

A Polícia catalã identificou formalmente nesta sexta-feira os cadáveres dos três marroquinos - Moussa Oukabir, Said Aallaa e Mohamed Hychami, de 17, 18 e 24 anos de idade -, respectivamente, membros da célula que cometeram os atentados ocorridos em Barcelona e Cambrils, deixando 14 mortos e mais de 120 feridos. 

O irmão de Moussa Oukabir, Driss, foi detido na quinta-feira em Ripoll, a cerca de 100 quilômetros de Barcelona, onde posteriormente foram detidos outros três suspeitos de estarem envolvidos nos atentados. 

Na casa dos Oukabir em Melouiya, um povoado situado numa região pobre e rural do Atlas, cordilheira que passa pela parte central do Marrocos, o pai, Said Oukabir, recebia os pêsames dos amigos, familiares e vizinhos após receber a notícia da morte do filho Moussa. 

"A polícia espanhola chamou a mãe dele, que está na Espanha (em Ripoll), para informar que Moussa tinha morrido", contou ele à France-Presse, com os olhos cheios de lágrimas.  

Said Oukabir disse estar "abalado" desde que a Polícia catalã anunciou que seus dois filhos eram suspeitos de terem participado dos atentados ocorridos em Barcelona e Cambrils, e espera que Driss, de 27 anos, seja "declarado inocente". 

Na quinta-feira, uma van branca atropelou uma multidão de pedestres em Las Ramblas, uma movimentada avenida no centro de Barcelona, matando 13 pessoas e deixando mais de 100 feridos. 

Horas depois, um Audi A3 avançou em pedestres situados em Cambrils, uma região costeira 120 km ao sul de Barcelona, que causou a morte de uma mulher e deixou vários civis e um policial feridos. O veículo colidiu em um carro da polícia catalã, o que ocasionou a morte dos cinco "supostos terroristas" que viajavam a bordo do automóvel. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.