Pai e mulher não querem que Sarkozy tente reeleição

O pai e a mulher do presidente da França, Nicolas Sarkozy, não se animam com a perspectiva de o líder francês tentar um segundo mandato daqui a dois anos. O pai dele, Pal, de 82 anos, disse que o político "teria uma vida mais calma se não concorresse novamente", segundo a edição de hoje do jornal "Le Parisien".

AE-AP, Agencia Estado

26 de março de 2010 | 11h27

Já a primeira-dama, Carla Bruni, afirmou que, "como esposa, eu não quero isso. Talvez tema que ele vá prejudicar sua saúde, talvez eu queira viver o que resta para viver com uma certa paz?". Apesar disso, Carla Bruni afirmou que apoiará a decisão do marido.

Sarkozy passa por um período difícil. Com a popularidade em baixa, viu seu partido conservador sofrer uma derrota fragorosa nas eleições regionais realizadas no domingo. Hoje, uma pesquisa mostra que a chefe do Partido Socialista, Martine Aubry, poderia derrotá-lo nas urnas caso o cenário atual se mantenha.

Biografia

O pai de Sarkozy está publicando uma autobiografia. No livro, Pal descreve sua vida amorosa ativa e turbulenta - e também a infância do presidente. No volume, ele descreve a decepção quando, na noite de núpcias com a mãe do líder, descobriu que "ela já era uma mulher".

O casal se divorciou quando Nicolas Sarkozy era um garoto - e o presidente já tratou das dificuldades de crescer em um lar dividido. Na entrevista ao "Le Parisien", Pal Sarkozy descreve o filho como alguém "vivo", que trabalha duro, mas também "às vezes bravo".

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaSarkozyreeleiçãoCarla Bruni

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.