AP
AP

Pai entrega filha de 13 anos a Boko Haram

Ela afirmou ter dito a seus sequestradores que não queria detonar bomba, mas permitiu que eles amarrassem nela um casaco com explosivos porque foi ameaçada de ser enterrada viva

O Estado de S. Paulo

25 de dezembro de 2014 | 12h13

Uma menina de 13 anos disse ter sido entregue por seu pai ao grupo extremista Boko Haram e ter sido presa depois de se recusar a explodir uma bomba suicida em um mercado em Kano, a segunda maior cidade no norte da Nigéria.

Ela afirmou ter dito a seus sequestradores que não queria detonar a bomba, mas permitiu que eles amarrassem nela um casaco com explosivos porque foi ameaçada de ser enterrada viva.

A menina, identificada como Zahra'u Babangida, disse também que foi levada ao mercado têxtil de Kano onde duas outras garotas detonaram suas bombas. A polícia afirmou que quatro pessoas morreram na explosão, no dia 10. A menina foi apresentada pela polícia em uma entrevista coletiva na noite de terça-feira. A Nigéria tem sofrido vários atentados a bomba executados por garotas e jovens mulheres. / AP  

Mais conteúdo sobre:
NigériaBoko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.