Painel da guerra: após bombardeios, vida segue em Bagdá

Uma série de explosões sacudiram Bagdá pouco depois do pôr-do-sol e aparentemente atingiram o centro da cidade. Aviões podiam ser ouvidos sobrevoando a cidade por volta das 19h15 (horário local), mas não estava claro quais alvos haviam sido atacados.Na manhã deste sábado, cerca de 20 colunas de fumaça podiam ser vistas de pontos ao redor de Bagdá após intermitentes explosões serem ouvidas durante toda a noite. As forças iraquianas atearam fogo no petróleo que havia sido despejado dias atrás nas trincheiras cavadas ao redor de Bagdá, com o propósito de desorientar a aviação anglo-americana, disseram fontes em Bagdá, de acordo com a TV árabe por satélite Al-Jazira.Durante o sábado, trabalhadores limparam escombros das ruas de Bagdá após dois dias de fortes bombardeios que destruíram palácios, escritórios internacionais e quartéis generais militares.Em Bagdá, a medida que o sábado seguia, iraquianos começaram a sair as ruas em grande número. Pequenos comércios e restaurantes reabriram, fato que não se observava desde quinta-feira, quando começou a guerra.Uma explosão maciça havia chacoalhado pela manhã o centro do Iraque depois que um antigo palácio de Saddam Hussein foi demolido por aviões anglo-americanos.Na primeira entrevista desde o início da segunda Guerra do Golfo Pérsico, o chefe das forças norte-americanas, general Tommy Franks, afirmou neste sábado que os soldados já operam "dentro e nas proximidades de Bagdá" Franks disse também que o ataque contra o Iraque envolve "choque, surpresa, flexibilidade", o uso de "força avassaladora" e de munição de alta precisão "numa escala nunca vista antes".Em outro ponto da cidade, aviões americanos atacaram tanques iraquianos que protegiam pontes próximo a Basra, a segunda maior cidade do país. Oficiais americanos disseram que o regime de Saddam perdeu claramente o controle.Em Basra, as tropas dos EUA e Grã-Bretanha controlam a refinaria da cidade e um aeroporto na localidade periférica de Az-Zubayr, onde há forte presença das forças de segurança iraquianasNo entanto, nenhuma força americana ou britânica entrou imediatamente na cidade de Basra, afim de evitar combates sangrentos dentro da cidade, segundo o coronel britânico Chris Vernon.Porta-vozes militares dos dois países anunciaram como um grande progresso hoje a captura de Nasiriya, cidade mais de 100 mil habitantes, localizada a noroeste de Basra e asseguraram o controle de uma ponte sobre o rio Eufrates, a oeste da cidade, o que facilitará o avanço em direção a Bagdá, situada 320 quilômetros ao norte. Outro desdobramento importante do conflito hoje foi o anúncio do Departamento de Defesa dos EUA (Pentágono) de que abandonou seu plano de abrir uma frente terrestre no norte iraquiano, pelo qual pretendia deslocar 62 mil soldados e colunas de blindados através da fronteira turca. Os americanos não chegaram a um acordo com a Turquia sobre a entrada das tropas. A capital iraquiana foi bombardeada hoje pela primeira vez em plena luz do dia - antes só fora atacada à noite e na madrugada. No entanto, o ataque foi bem menos intenso do que o devastador bombardeio da sexta-feira, que as forças americanas chamaram de "Dia A". Cinco grandes explosões ocorreram na periferia de Bagdá antes do pôr-do-sol de hoje, quando os ataques se intensificaram novamente. Após uma manhã explosiva, o trânsito voltava às ruas de Bagdá. Um buraco do tamanho de duas mesas de ping-pong foi aberto no domo do palácio da Paz, mas dois bustos de Saddam permanecia na esquina do edifício. O centro de operações de inteligência foi destruído. Ladrilhos, tijolos e vidros estavam espalhados pela rua nas proximidades de al-Salhiya.Uma rajada de luz iluminava a noite de Bagdá enquanto parte da cidade de cinco milhões de pessoas era devastada. As baterias antiaéreas iraquianas atiravam no escuro. Os sons dos mísseis rugiam novamente pelas ruas antes de explodir em uma bola de fogo. Pela manhã de domingo, as pessoas devem voltar às ruas da cidade e limpar os destroços do bombardeio desta madrugada.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.